A espelta, também conhecida por trigo verde ou trigo selvagem, é uma variedade de trigo que é cultivada desde há vários milênios, tem um sabor intenso e grandes propriedades nutricionais, multiplicando-se os seus nutrientes, se apresenta em forma degerminados. Podem-Se elaborar pães, biscoitos, farinhas, cervejas e bebidas vegetais entre outros. Tem maior número de proteínas, oligoelementos e oito aminoácidos essenciais que o trigo comum. Possui vitamina E, vitamina B e beta-caroteno e minerais como o magnésio, o ferro e o fósforo, que fazem a espelta um alimento muito nutritivo. Não há que esquecer o seu conteúdo em fibra, que mantém um bom trânsito intestinal, melhora o estreñimieno e a obesidade. É rica em ácido salicílico, um nutriente muito necessário, já que faz parte de muitos órgãos e tecidos. Os celíacos devem ter em conta que é um cereal rico em glúten, como trigo, por isso, têm prohíbido. Os nutrientes da espelta são muito fáceis de assimilar pelo organismo e ajuda a evitar alergias e doenças de pele. A farinha não é usado muito pela dificuldade que apresenta separar a camada protetora da semente, mas existem preparações que resultam muito mais alta do que o trigo ou outros cereais com glúten. O leite de espelta possui uma grande quantidade de proteínas e aminoácidos essenciais, ou seja, em 16%, em 100 gramas, contra 12% que contém o trigo, o que é um alimento ideal para dietas pobres em proteínas ou vegetarianos, que não consomem proteína animal. Protege o sistema cardiovascular, já que contém ácidos gordos essenciais. Fortalece o sistema imunitário graças ao seu conteúdo em mucopoliscáridos e silicone, que ajuda a fortalecer os ossos e articulações, e o seu aporte de magnésio é de grande ajuda em casos de estresse. Fonte Imagem: Ibán/flickr